quinta-feira, 16 de junho de 2011

"São Paulo Fashion Week"

Colcci: That 70's show!

A coleção de verão 2012 da Colcci poderia muito bem ter saído direto da famosa série That 70's Show, que tinha Ashton Kutcher - estrela da marca ao lado da top Alessandra Ambrósio - no casting. Isso porque os shapes trazem muitos elementos do estilo seventies: pantalonas de cintura alta, boca de sino, jaquetas curtinhas e cores quentes (laranja, vermelho-tomate, amarelo, fúcsia). Listras aparecem também, na pantacourt (pantalona que tem a barra um pouquinho abaixo dos joelhos) e nos bodies, remetendo a um navy moderninho.

Uma alfaiataria fresca aparece na série final, composta de ótimos looks total white, como o desfilado pela top Viviane Orth. Ponto ainda para os blazers que aparecem na companhia de shorts secos e curtinhos. Nos pés, sandálias plataformas altíssimas e coloridas. Resumindo: o mood é alegre e jovem, como não poderia deixar de ser.


Osklen: Africa reloaded

Oskar Metsavaht revisitou a influência africana e fez um tributo à estética negra. Na passarela, traduziu o conceito em peças amplas com formas simples, limpas e puras. A identidade da marca é evidenciada nas modelagens mais arredondadas nas costas, que servem como estrutura para tops, vestidos e macacões. Essas peças, aliás, ganham peso com o uso de tecidos mais rústicos feitos com materiais como linho, tricô de ráfia e palha de seda, mesclando com neoprene, nylon e tricôs com fios de metal. Por outro lado, a leveza da seda e da malha de algodão surge nos vestidos mais fluidos.
O foco da coleção, porém, está nas releituras dos longos chemisiês e na alfaitaria chic e despretensiosa. Tons de roxo, vermelho e verde criaram intressantes pontos de luz num desfile onde predominaram o branco, o off-white, o preto e o dourado. Destaque também para as estampas, com imagens tribais e geométricas, e para os acessórios feitos em metal que deram brilho e bossa aos looks carregados de tempero e originalidade.



Huis Clos: So chic!

A alfaiataria da Huis Clos continua impecável. Para o verão 2012, a silhueta surge elaborada, mas sem que isso signifique eliminar o fator conforto. Recortes estratégicos foram um recurso bastante utilizado em vestidos e tops. Mas, são as franjas as grandes vedetes da coleção da grife de Clô Orozco. Fluidas, cheias de movimento, elas deram vida à maioria dos looks, ora aplicadas nas mangas, ora aplicadas da gola para baixo. Pequenas tachas na cor bronze também apareceram, contornando os ombros. Os ombros, aliás, mereceram atenção, com mangas de volume localizado. Quando o assunto é comprimento, o mídi se reveza com o curto em vestidos superfemininos. Na cartela de cores, tudo que amamos: bege, marrom-claro, coral, cinza (com efeito metalizado) e azul-claro (que chega a parecer jeans délavé no linho ultraleve). A coleção é composta em sua maior parte por peças lisas. No lugar das estampas, entram linhas e desenhos geométricos. Ponto ainda para o mix de materiais, como o encontro do paetê e da malha, na saia desfilada pela top Daiane Conterato. Entre os acessórios, o cinto ganha o foco e aparece não só na cintura como também arremata a parte do busto de um tomara-que-caia.



Mario Queiroz: Reinvenção da alfaiataria

Mario Queiroz não brinca em serviço. Ele sabe, como ninguém, fazer um bom corte - o que é fundamental quando o assunto é alfaiataria. E, para a coleção de verão, decidiu se aventurar criando peças para as mulheres, mesclando os universos feminino e masculino. O estilista se inspirou numa mulher urbana, moderna, com um quê de futurista, mas bebeu da fonte de Greta Garbo, lá atrás, nas décadas de 1920 e 30. Confuso? Nem tanto.
O conceito se traduziu em cortes retos misturados com toques femininos, como pregas e mix de acabamentos. Os blazers cropped sobre maxicamisas brincam com proporções e ganham charme graças aos tecidos tecnológicos em prata - mais futuristas, impossível. Além dessa cor, surgiram tons de cinza, preto, branco e off-white nas peças de linho. Ponto alto: os macacões que imitam a composição camisa + calça contribuíram para que a coleção não caísse no óbvio.


Gloria Coelho: O futuro é agora

Design, conforto e tecnologia. As três palavras usadas pela estilista Gloria Coelho para definir seu trabalho de verão 2012 não poderiam ser mais exatas. Intitulada Psicodélico Espiritual, a coleção passeia por múltiplas inspirações - como o retorno de Netuno ao signo de Peixes depois de 184 anos, o finalzinho dos anos 1960 e a série de ficção científica X-Men.
Diante de temas tão distintos, Gloria desfila looks futuristas. No início da apresentação, pudemos ver uma sequência de vestidos com estampa quadriculada multicolorida e cheios de recortes - os elementos vazados, aliás, pontuam toda a coleção. Os ombros ganham shapes arredondados à la anos 1960. Em um segundo momento, conjuntos de túnicas e calças de couro parecem brincar com a Astrologia, trazendo aplicações no formato de alguns signos.



Desfile Cavalera: Viva México!

Os estilistas da Cavalera se embrenharam nas tradições mexicanas para criar a coleção de verão da marca. A pintora Frida Kahlo e uma procissão do Dia de Los Muertos, celebração típica daquele país, foram as maiores referências, traduzidas em peças multicoloridas e no próprio desfile, que contou com uma verdadeira encenação de esqueletos dançantes e noivas cadáveres.

E, nesse cenário, as roupas pareciam até ficar em segundo plano, não fosse a profusão de cores chamando a atenção de volta para a passarela.Vestidos curtos e transparentes dividiram espaço com batas mais amplas e calças boca-de-sino. Destaque para os vestidos bordados em paetê com estampas de flores. A alfaiataria foi revisitada e apareceu bem do jeitão Cavalera: descontraída, em tecidos rústicos que compunham blazers e coletes. Numa coleção perfeita para quem gosta de cor – muita cor – há também espaço para o preto, off-white e tons pastel.



Fonte: Elle