terça-feira, 28 de junho de 2011

"No chance for Galliano"

Durou pouco: o New York Times publicou, via Cathy Horyn, sua famosa jornalista de moda, que John Galliano poderia voltar à moda, como diretor criativo da marca que leva seu nome, posto que ocupava até março. Já no sábado, o que era uma possibilidade se tornou apenas uma ideia tola.

O próprio Bernard Arnault, chairman da LVMH (detentora da John Galliano e da Dior, marcas das quais ele foi demitido após o famoso escândalo que o levou preso), tratou de declarar que Galliano não voltará a ser contratado.

“Ele não vai trabalhar para a LVMH”, disse ele, categórico, à jornalista, revelando ainda que o estilista “não teve a simples delicadeza de me contactar” depois de chamar a atenção do mundo todo ao ser preso por proferir ofensas antissemitas a um casal, em fevereiro.

Outra informação importante veio à tona: Sidney Toledano, executivo da Dior, admitiu que a empresa sabia da dependência alcoólica de Galliano (ele se declarou “triplamente viciado” no julgamento do caso) e advertiu o estilista diversas vezes. “Vinha falando com os advogados por anos”, confessou.

Fonte: Elle