quarta-feira, 27 de abril de 2011

"Chanel Pre-Fall 2011: pura riqueza!"

Pode não ser alta-costura de fato, mas só por ter bordados dos mais ricos feitos por ateliês legendários, essa coleção da Chanel já vem com um toque todo especial. E assim, Karl Lagerfeld deu ares de exclusividade para o seu pre-fall 2011.

Ao invés de um grande desfile como vinha fazendo desde 2002 com as coleções de meia estação, dessa vez o kaiser escolheu a intimidade do salão couture da maison, no famoso número 31 da Rue Cambon, em Paris, e transformou o espaço numa espécie de sala de chá toda dourada, colocando assim o foco 100% sobre as roupas.

A estratégia fez total sentido já que a coleção, construída praticamente em cima de bordados e mosaicos bizantinos, visava também homenagear o savoir faire os 7 ateliês de bordadeiras que a marca adquiriu no fim dos anos 1990: Lesage, Desrues, Lemarié, Michel, Massaro, Goossens e Guillet.


O ponto de partida foi a cultura bizantina, universo pelo qual Coco Chanel em si já havia se apaixonado décadas antes. Assim, a coleção traz uma aparente opulência de elementos decorativos, suavizada pela modelagem e proporção alongada, com certa “folga” _ principalmente nas calças de veludo cotelê ou em jeans desgastado. Karl fala de um luxo, ou riqueza, meio nonchalance, um “estar arrumado” ao mesmo tempo que desarrumado, bem como fez em seus 2 últimos desfiles de alta-cosutra (inverno 2010) e prêt-à-porter (verão 2011).

Agora, seu pre-fall 2011 vem com ares levemente hippie. Um hippie rico e luxuoso, em que as famosas jaquetas de tweed vêm com correntes douradas, os vestidos alongados com mosaicos percorrendo todo seu comprimento, casacos com maxi botões dourados, tricôs com bordados em motivos típicos bizantinos, maxi pulseiras marcando os punhos e mais uma série de motivos e aplicações responsáveis por fazer de todo esse arsenal bizantino, algo atual e desejável.


Fonte: ffw fashion forward